Saúde : ‘Perguntar se suicídio passa pela cabeça é importante’, diz psiquiatra, sobre caso do Ator Robin Williams.


Mariana LenharoDo G1, em São Paulo.

Ator Robin Williams se enforcou com um cinto nesta segunda-feira (11).
Psiquiatra afirma que abordar o assunto dá espaço para tratamento.

robin-williamsO ator Robin Williams em foto de 15 de junho de 2007 (Foto: Reed Saxon/AP)

O histórico de depressão e de dependência de álcool, características apresentadas pelo ator Robin Williams, são dois importantes fatores de risco para o suicídio. O ator de 63 anos morreu nesta segunda-feira (11) depois de se enforcar com um cinto, de acordo com a polícia local. Segundo a agente do ator, Mara Buxbaum, ele estava lutando contra uma depressão severa e já tinha sido internado várias vezes em clínicas de reabilitação por problemas com drogas e álcool. A última internação tinha sido em julho.

geraldopossendoro6202O psiquiatra Geraldo Possendoro, professor convidado de Medicina Comportamental da Unifesp, diz que, em mais de 90% dos casos de suicídio, a pessoa já tinha alguma doença psiquiátrica. “Quando a pessoa não se trata e começa a usar os ‘remédios ruins’ para tratar a depressão, como drogas e álcool, ela está acumulando fatores de risco para suicídio”, explica.

Ele acrescenta que não é incomum que pessoas com depressão e que não são tratadas adequadamente recorram a drogas e álcool para aliviar o sofrimento da depressão. O contrário também pode acontecer, de acordo com a psiquiatra Maíra Della Monica Machado. “A pessoa que faz uso abusivo de álcool e drogas também pode cair em um quadro depressivo.”

A médica enfatiza os riscos da combinação desses fatores: “Uma pessoa que está deprimida e faz uso de substâncias acaba tendo um rebaixamento da crítica, do nível de consciência e fica com mais coragem para cometer suicídio. Por isso orientamos total abstinência para pacientes com pensamentos suicidas e ideias de morte.”

Para Possendoro, pensar em suicídio é mais comum do que se possa imaginar e é importante que amigos e familiares conversem sobre o assunto com a pessoa. “Existe o mito de que conversar sobre o assunto pode induzir alguém a tentar. Isso é falso, ninguém comete suicídio por ter conversado sobre isso. Muito pelo contrário, abordar o assunto, perguntar se a ideia de suicídio passa pela cabeça dela é importante porque pode dar espaço para que a pessoa seja tratada e que o suicídio não aconteça”, diz.

Período crítico
A psicóloga Karen Scavacini, cofundadora do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio, avalia que o ator estava em um período que pode ser considerado crítico: logo após ter alta de uma clínica de dependência e depois de um período de recaída no consumo de álcool e drogas. “Nesses momentos, a família precisa ficar mais atenta”, diz.

Ela observa que a idade do ator também é mais propensa a tentativas de suicídio. “Começa uma fase de muitas perdas, perda da saúde, com a aposentadoria tem a perda do trabalho. Como a sociedade não aceita o envelhecimento, isso deixa as pessoas muito mais isoladas, elas perdem o lugar a que pertenceram.”

1407798847000-robin-williamsAlém dos sinais diretos que a pessoa emite quando tem a intenção de se matar – falar explicitamente que quer morrer, por exemplo – alguns sinais indiretos também podem ser percebidos. “A pessoa começa a se despedir de parentes e amigos, pode apresentar muita irritabilidade, sentimento de culpa, choros frequentes. Também pode começar a colocar as coisas em ordem e ter uma aparente melhora de um quadro depressivo grave, de uma hora para outra. Muitas vezes, isso significa que já se decidiu pelo suicídio, por isso fica mais tranquila. É a falsa calmaria”, diz. Comportamentos de risco desnecessários também podem ser observados nesse período.

 
 
 

 

Anúncios

Sobre claudilsonpezao

Sou Claudilson Leite Pereira, mais conhecido como Pezão. Nasci em Prado (BA), em 15 de julho de 1966. Sou casado e pai de duas filhas. Moro em Guarulhos – SP. Em 6 de fevereiro de 2000 fiquei paraplégico. Apesar da deficiência, comecei a dedicar-me a causas sociais e, em 2003, filiei-me ao Partido dos Trabalhadores, dando início a minha carreira política. Atuo no Setorial da Pessoa com Deficiência, no PT. Cursei Tecnologia em Processos Gerenciais na Universidade Metodista em 2010. Minha história de vida é marcada por superações e conquistas. Fui eleito vereador por Guarulhos, para o mandato de 2013 a 2016. Espero em Deus realizar um trabalho digno que melhore a qualidade de vida das pessoas.
Esse post foi publicado em Doença, Drogas, Inclusão social, Medicina, Noticías do Mundo, Policial, Saúde, Saúde e lazer, Serviço social e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s